Hacktivismo – OpEcuador – Continuação

Ainda como parte dos protestos pela prisão de Julian Assange, ativista australiano, programador de computador, jornalista e fundador do site WikiLeaks, nosso sistema de Monitoramento Avançado Persistente observou novos eventos da mobilização da comunidade hacktivsta global em protesto.

Foram observados novos ataques de negação de serviço, desfiguração de página e vazamentos de dados no contexto da #OpEcuador, #FreeAssange, #OpAssange, #OpUK e #OpUS

Entre os envolvidos nesses ataques destacam-se o grupos/hacker K4PP4K, Cyb3r C0nven Security e Ergo, Mecz1nho e Al1ne (Pryzraky).

Ações de negação de serviço tem ocorrido sistematicamente contra alvos do governo do Equador, país que entregou Julian Assange para as autoridades policiais do Reino Unido.

DDoS – OpEcuador – Mecz1nho
DDoS – OpEcuador – Ergo
DDoS – OpEcuador – CYB3R C0V3N SECURITY
A hacker Al1ne (Pryzraky) realizou dois vazamentos (link1 e link2) de dados de entidades do governo e das Forças Armadas do Equador:
Leak – OpEcuador – Al1ne
Leak – OpEcuador – Al1ne
  • EERSSA – Empresa Eléctrica Regional del Sur S. A: www.eerssa.gob.ec

  • Banda Blanca de la Armada del Ecuador: www.bandablanca.mil.ec

  • Unidad Educativa Liceo Naval de Guayaquil: www.liceonaval.mil.ec

  • Servicio Ecuatoriano de Normalización INEN: www.normalizacion.gob.ec
 
Leak – OpEcuador – Al1ne

Outro vazamento observado foi de um notório hacktivista brasileiro – K4PP4K – que divulgou informações do Servicio de Acreditación Ecuatoriano (SAE). 

Leak – Servicio de Acreditación Ecuatoriano – K4pp4K

Por fim, vazamento de autoria não identificada divulga mais de 700 dados pessoais de funcionários e servidores de Universidades equatorianas:

Leak – OpEcuador – Varios Alvos

A #OpEcuador é uma operação hacktivista que certamente contará com a adesão maciça de atacantes de diferentes nacionalidades. Sua duração e continuidade serão indicadores da relevância que a figura de Julian Assange tem perante seus pares.