Hacktivismo – OpEcuador

Com a prisão de Julian Assange, ativista australiano, programador de computador, jornalista e fundador do site WikiLeaks, nosso sistema de Monitoramento Avançado Persistente observou a mobilização da comunidade hacktivsta global em protesto. Ataques de negação de serviço, desfiguração de página e vazamentos de dados no contexto da #OpEcuador, #FreeAssange, #OpAssange, #OpUK e #OpUS foram observados nas últimas horas. 

Entre os envolvidos nesses ataques destacam-se o grupos/hacker DeathLaw, 5UB5, Cyb3r C0nven Security e Al1ne (Pryzraky).

Ações de negação de serviço tem ocorrido sistematicamente contra alvos do governo do Equador, país que entregou Julian Assange para as autoridades policiais do Reino Unido.

DDoS – OpEcuador – CyberConven
DDoS – OpEcuador – DeathLaw
A hacker Al1ne (Pryzraky) realizou desfigurações de página contra e divulgou lista de alvos vulneráveis relacionados ao governo do Equador:
Deface – OpEcuador – Al1ne
  • Agrocalidad – La Agencia de Regulación y Control Fito y Zoosanitario: http://www.agrocalidad.gob.ec/

  • Agencia Metropolitana de Tránsito: http://www.amt.gob.ec/

  • Instituto Geográfico Militar – Ecuador: http://www.igm.gob.ec/

 
Leak – OpEcuador – Al1ne

Outro vazamento de autoria não identificada divulga mais de 700 dados pessoais de funcionários e servidores de Universidades equatorianas:

Leak – OpEcuador – edu

Além de desfigurações, ações de vazamentos de dados e negação de serviços, oustras publicações encorajam ataques (link2) contra alvos do Equador:

OpEcuador

A #OpEcuador é uma operação hacktivista que certamente contará com a adesão maciça de atacantes de diferentes nacionalidades. Sua duração e continuidade serão indicadores da relevância que a figura de Julian Assange tem perante seus pares.